04/01/2012

Eric Hobsbawm: ''Fez-me lembrar 1848...''

Eric Hobsbawm. Artigo tirado de Diário Liberdade (aqui).

241211_hobs [Entrevista a Andrew Whitehead, BBC World Service News] Londres, 23 de dezembro de 2011. Eric Hobsbawm assistiu às revoltas de 2011 com entusiasmo – e diz que, hoje, quem move as ondas populares é a classe média, não os trabalhadores. “Foi imensa alegria ver, mais uma vez, que o povo pode ir às ruas, manifestar-se e derrubar governos” – diz EJ Hobsbawm, no apagar das luzes de um ano de levantes populares no mundo árabe.

Hobsbawm viveu toda sua longa vida à sombra – ou à luz – de revoluções. Nascido alguns meses antes da Revolução Russa de 1917, foi comunista durante praticamente toda sua vida adulta – além de pensador e escritor inovador e influente. Foi historiador de revoluções e várias vezes militou a favor de mudanças revolucionárias.

Já chegado aos 95 anos, a paixão política sempre viva reflete-se no título de seu livro mais recente Como mudar o mundo[1][São Paulo: Companhia das Letras, 2011] – e no ativo interesse pelos levantes populares no mundo árabe.

“Não há dúvidas de que me sinto entusiasmado e aliviado” – diz ele, em conversa em sua casa no norte de Londres, bem próxima de Hampstead Heath, casa de paredes cheias de livros de História em várias línguas, e sobre jazz.

“Se alguma revolução ainda é possível, terá de ser mais ou menos como o que estamos vendo. Pelo menos nos primeiros tempos. Gente saindo às ruas para manifestar-se a favor das coisas certas.” Mas logo acrescenta: “Sabemos que não vai durar.”

O historiador que há nele logo vê um paralelo entre a ‘Primavera Árabe’ de 2011 e o “ano das revoluções” na Europa há quase dois séculos, quando um levante na França foi logo seguido por outros nos estados italianos e germânicos, no Império dos Habsburgos e em outros pontos.

Democracias árabes?

“Fez-me lembrar 1848” – diz ele –, “outra revolução surgida num país que depois, em pouco tempo, se espalhou por todo o continente.”

Para os que encheram a Praça Tahrir e hoje se preocupam com o futuro de sua revolução, Hobsbawm tem uma palavra de conforto.

“Dois anos depois de 1848, tudo parecia mostrar que a revolução fracassara. No longo prazo, viu-se que não fracassou. Houve muitos avanços progressistas. Aquela revolução fracassou, se analisada no calor da hora; mas, foi vitoriosa, pelo menos parcialmente, vista de mais longe. Embora, depois, já não sob forma de revolução.”

Seja como for, exceto talvez no caso da Tunísia, Hobsbawm vê pouca probabilidade de haver democracias liberais representativas, de estilo europeu, no mundo árabe. Tem-se dado pouca atenção, diz ele, às diferenças entre os países árabes nos quais tem havido manifestações de massa: “Estamos no meio de uma revolução – mas não é a mesma revoluções em todos os lugares”.

“Todas são parecidas, porque há em todas um mesmo descontentamento, e as forças mobilizáveis são semelhantes – uma classe média em modernização, sobretudo os estudantes jovens dessa classe média e, evidentemente, a tecnologia que torna hoje muito mais fácil mobilizar os que se queiram manifestar.”

Para Hobsbawm, as mídias sociais começaram a ter alguma significação para os movimentos globais, na campanha de eleição do presidente Obama nos EUA, que conseguiu mobilizar amplas fatias da população, até então politicamente inativas, através da Internet.

Para ele, “as atuais ocupações, na maioria dos casos, não são protestos de massa, os 99% não estão nas ruas, mas lá está o sempre mobilizável famoso “exército de palco”[2] de estudantes e militantes da contracultura. Algumas vezes, encontram eco na opinião pública, como se vê claramente nas ocupações anti-Wall Street e anticapitalistas.”

Mas, em todo o mundo, a esquerda da qual Hobsbawm fez parte – como militante, cronista e, pelo menos como intenção, modernizador – está hoje à margem dos protestos de massa e das ocupações.

“A esquerda tradicional foi gerada num tipo de sociedade que já não existe, ou está saindo de cena. Aquela esquerda acreditava no movimento trabalhista de massa como agente que criaria o futuro. Hoje, o trabalho mudou – e fomos desindustrializados – e aquele projeto daquela esquerda deixou de ser viável.”
“Hoje, as mobilizações de massa mais efetivas brotam sobretudo de uma classe média modernizada de um corpo de estudantes imensamente inchado. São mais efetivas nos países nos quais, demograficamente, a população jovem, homens e mulheres, são fatia maior da população, do que o que se vê na Europa.”

Eric Hobsbawm não espera que as revoluções árabes tenham alcance maior no resto do mundo, não, pelo menos, como semente de revolução mais ampla. O mais provável, diz ele, é que os reformadores árabes sejam postos de lado por grupos islamistas, como já aconteceu no Irã.

Segundo ele, deve-se esperar, isso sim, um movimento gradual de reformas, como já se viu nos anos 1980s, quando, por exemplo, na Coreia do Sul, os movimentos jovens e de classe média, obtiveram algumas conquistas contra o poder dos militares [mas, no resto do mundo, a única reforma que se viu foram os muitos movimentos jovens e de classe média, serem cooptados pelo neoliberalismo mais selvagem, como se viu na Argentina e no Brasil, por exemplo (NTs)].

Uma revolução em idioma político do Islã: o Irã, 1979
Quanto aos dramas políticos que ainda se desenrolam nos países de língua árabe, Hobsbawm chama a atenção para o caso do Irã, em 1979, onde, embora se fale língua persa, aconteceu a primeira revolução concebida no idioma político do Islã. Para ele, um aspecto daquela revolução, pelo menos, encontrou eco nas revoluções do mundo muçulmano nos últimos meses:

“As pessoas que fizeram concessões ao Islã, mas não eram, elas próprias religiosas islâmicas, foram marginalizadas – por exemplo, os reformistas liberais e os reformistas comunistas. O que está emergindo como ideologia das massas árabes, não é a ideologia dos que iniciaram as manifestações.”
Embora os levantes árabes o tenham enchido de alegria (até de “alívio”), Hobsbawm vê esse aspecto como “desenvolvimento não previsto e não necessariamente bem-vindo”.

(A entrevista está no ar, em inglês, em http://www.bbc.co.uk/programmes/p002vsn9/episodes/player)

[1] O livro foi resenhado por Terry Eagleton na London Review of Books (23/2/2011, “Indomáveis”, Terry Eagleton, London Review of Books, http://redecastorphoto.blogspot.com/2011/02/indomaveis.html) [NTs].
[2] Orig. stage army. A expressão aparece na didascália da peças de Shakespeare, para designar grupos de coadjuvantes que cruzam o palco, desaparecem nas coxias e adiante, reaparecem, como a narrativa exija, e tornam a desaparecer nas coxias [Nts].
Postar um comentário