03/02/2012

Serviço secreto alemão espiona Esquerda

Flávio Aguilar. Artigo tirado de Carta Maior (aqui).



Um semi-escândalo escandalizou a Alemanha na última semana. Semi-escândalo? Sim, porque tem gente para quem isso é normal. Descobriu-se que o Serviço de Inteligência Alemão, digamos, o nosso antigo SNI daqui, chamado de “Agência de Proteção à Constituição”, espionava sistematicamente um número muito alto de deputados e políticos do Partido Die Linke – A Esquerda.

Na sua lista de espionagem estavam 27 de 76 deputados no Bundestag, o Parlamento Federal, mais 11 outros políticos de cúpula do partido. Entre aqueles, um dos principais líderes do Die Linke, Gregor Gisi.

Gisi é um político que veio da antiga Alemanha Oriental. Era um advogado de direitos humanos por lá e naquele tempo. Mas acusam-no de ter feito parte (ou ser informante) da Stasi, a antiga polícia política da Alemanha comunista. Na sua posição de ser defensor dos direitos humanos na RDA, é claro que Gisi – que é um político extremamente simpático e progressista – deve ter tido contatos com a Stasi. E é claro que deve ter muitos inimigos deste lado do inexistente, mas resistente muro para detratá-lo.

Num caso mais grave do que de Gisi, a polícia secreta alemã tem, entre seus investigados/espionados, o deputado do Bundestag Steffen Bockhahn, que soe ser membro da Comissão Parlamentar encarregada de vigiar os serviços alemães de inteligência, inclusive do seu orçamento.

Houve comparações elucidativas: essa “Agência de Proteção à Constituição” conta com 7 agentes e um orçamento de 400 mil euros anuais para investigar Die Linke. Tem apenas 10 agentes e 590 mil euros anuais para investigar a miríade de partidos e movimentos de extrema-direita, inclusive o considerado neo-nazi NPD.

A diferença ganhou relevo depois que descobriu-se a “célula [neo-nazi] de Zwickau”, um grupo de extrema direita que cometeu assassinatos e atentados contra imigrantes sem ser minimamente molestado pelos serviços de investigação durante mais de dez anos, apesar de todas as evidências apontarem para eles ou algo no gênero.

O caldo (ou o enredo) engrossou mais ainda depois que um político da CDU (da chanceler Ângela Merkel), num programa de TV no domingo passado, defendeu que a polícia secreta investigasse especificamente Die Linke, e disse que era favorável a que se proibisse o partido.

Dificilmente esse tipo de proposta vai prosperar. Mas mostra o clima reinante em boa parte do mundo político alemão, rançosamente anti-esquerdista, pró-Ocidente, neo-liberal.

Políticos do Partido Verde (entre eles Valter Becker, porta-voz oficial do partido) manifestaram preocupação e repúdio diante da denúncia. Não vi ainda (pode ter sido falha minha, e passei a última semana em parte fora) atitude semelhante por parte do SPD.

Da direita nada se espera.
Postar um comentário