11/12/2013

O coltan sangrento: a guerra pelo controlo remoto e a demanda de minerais estratégicos do Congo

Carrie Giunta. Artigo tirado de SinPermiso (aqui) e traduzido por nós. Carrie Giunta é professor não numerario a tempo parcial na Universidade de Londres.

 

A atroz guerra do Congo está unida ao grande apetito de Ocidente pelos minerais estratégicos essenciais para as indústrias eletrónica e militar. Os regimes criminosos de Uganda e Ruanda apoiam respetivamente a milícias cuja violência facilita o contrabando destes minerais através das duas nações africanas.

A guerra congolesa, que matou a mais de seis milhões de pessoas desde 1996, é o conflito mais mortífero do mundo desde a Segunda Guerra Mundial. A soma do número de mortes em Darfur, Iraque, Afeganistão, Bósnia e Ruanda no mesmo período, não chega aos milhões que morreram na República Democrática do Congo.

Uma solução parcial seria que os governos ocidentais considerassem a Ruanda e Uganda responsáveis por financiar aos grupos paramilitares na RDC. A recente retirada do rebeldes M23 do Leste da RDC demonstra que a pressão internacional para que Ruanda deixe de apoiar aos rebeldes funciona. A insurgência na RDC está longe de ter chegado à sua fím, já que outros grupos rebeldes não foram ainda derrotados. Fica ainda um longo trecho para que seja possível a estabilização da região.

Tendo em conta que a violência e a brutalidade na RDC é proporcional à demanda de minerais dos ricos jazigos das regiões do este do país, não se trata tanto de quem está a financiar e apoiando a uma ou outra guerrilha. A questão é mais bem quê é o que está a criar uma demanda crescente dos minerais conflituosos?

O metal de tantalio de alto grau, que se processa a partir do mineral precioso coltan, faz possível fabricar gadgets eletrónicos a cada vez mais pequenos como os "smart phones" e as tabletes. Também é essencial para impulsionar uma nova série de aplicações militares como os drones. Uma nova demanda de tantalio ativou a extração, o comércio e o contrabando de coltan. Já que os depósitos são escassos, o mais provável é que a escassez de tantalio intensifique de novo a violência, o que afeta direta e indiretamente à gente das regiões mineiras do este da RDC.

Esta província é a fonte mais rica de coltan de todo mundo, com um 80% estimado  das reservas mundiais de coltan. A concorrência pelos minerais tem um efeito direto na incessante violência da região. As mulheres e as jovens foram umas das vítimas visíveis do conflito e centos de milhares delas foram violadas por fações guerreiras opostas como arma de guerra.

Estima-se que a RDC, um país do tamanho da Europa Ocidental, possui 24 biliões de dólares em reservas minerais, que compreendem ouro, diamantes, cobre, cobalto, coltan, estanho, tungsténio, zinco, manganês, magnésio, urânio, niobio e prata. Os grupos armados disputam-se o controlo das minas e das rotas de transporte. Os minerais são canalizados através dos países vizinhos, Ruanda e Uganda, por grupos rebeldes violentos e depois são comprados pelas empresas multinacionais. Segundo o Washington Pós o contrabando dos minerais congoleses que entram em Ruanda é da ordem de 6 milhões de dólares ao dia.

O tantalio joga um papel vital no crescente mercado do coltan. O tantalio, um derivado do coltan, é um componente central na eletrónica moderna. É o metal que se usa nos condensadores ou nos aparelhos que armazenam energia.

Os condensadores de tantalio não se utilizam somente nos smartphones. Também são importantes para as tecnologias aeroespaciais e militares, que se baseiam em condensadores de tantalio para fazer funcionar aplicações que atingem temperaturas muito elevadas. Com uma extraordinária capacidade para suportar uma larga escala de temperaturas e resistir  a corrosão, os condensadores de tantalio são uma maravilha da tecnologia. Podem reter uma carga durante muito tempo e podem tolerar meios funcionais de até 200º C.

Um dos maiores desafios para os engenheiros eletrónicos no area da defesa é a manipulação de temperaturas extremamente altas geradas por processadores de alto rendimento nas novas aplicações militares. Inovações recentes no campo da térmica fizeram possível operar com cargas de alta temperatura utilizando condensadores de tantalio.

Isto se estende às bombas inteligentes, a navegação a bordo nos drones, os robôs e toda uma variedade de sistemas armamentísticos, como os condensadores nos sistemas anti-tanque. Os novos avanços tecnológicos originaram um rápido desenvolvimento de armas totalmente autónomas ou robôs autónomos mortais. Em resumem, se não fora pelas surpreendentes propriedades de resistência ao calor do tantalio, estes sistemas sobrequentariam-se.

Na conferência deste ano sobre electro-óptica da convenção de Baltimore da  Sociedade Internacional de optica e fotónica (SPIE) sobre «Segurança e Detecção em Defesa» apresentaram-se os últimos produtos em tecnologia de drones. O objeto central na SPIE era a nova geração de drones que requer tecnologia ligeira e de baixo consumo de energia.

Este tipo de avanços na tecnologia militar aumentam a necessidade de coltan. O Consorio internacional de Jornalistas de investigação informa: "a capacidade do coltan para manter e transmitir sinais elétricas e a sua capacidade condutiva em temperaturas extremas fá-lo ideal para os controlos de guiado das bombas inteligentes. Os analistas de segurança dizem que é um mineral estratégico".

O tantalio derivado do coltan é essencial para fornecer energia a uma nova série de aplicações militares fabricadas nos EE UU. No entanto, os EE UU não dispõem de uma fonte própria de coltan. Para sustentar um fluxo contínuo de coltan dependem totalmente das importações.

A USDLA (United States' Defence Logistics Agency) mantém reservas de minerais estratégicos e raros no seu Armazém da Defesa Nacional (NDS). Dito armazém estabeleceu-se em 1939 para reduzir a possibilidade de "uma dependência perigosa e cara dos Estados Unidos com respeito às fontes de fornecimento de tais materiais em tempos de emergência nacional".

Apesar disso, nos últimos anos as reservas de tantalio se esvaziaram. Segundo Daniel McGroarty, em um relatório do Pentágono do ano passado sobre a dependência de minerais dos EE UU, o Departamento de Defesa recomenda o armazenamento de tantalio e de outros oito minerais. Se os EE UU ficassem sem tantalio, poderiam continuar construindo o seu armamento? As consequências de uma escassez de tantalio teriam um efeito desastroso na RDC. Uma escassez de coltan no final do 2000 contribuiu a uma subida do preço, da noite para o dia, de 49$ a 275$ por libra (454 gramas). O momento da subida do preço foi também um momento de grande intensificação da violência na região este da RDC.

Atualmente o preço do tantalio está a crescer de novo e a subida de preço corresponde à violenta situação no terreno. Em junho a situação na RDC voltou-se a cada vez mais insegura. O Comité Internacional da Cruz Vermelha advertiu: "atos de violência contra civis, incluídos o assassinato e o assalto sexual, continuam a um nível muito preocupante e causam regularmente a deslocação de milhares de famílias."

As campanhas pela paz nas zonas mineiras atribuem a subida do tantalio a uma resposta ao mercado dos smartphones e as tabletes. Estas campanhas têm como objetivo impedir às forças rebeldes o controlo das fontes de tantalio para financiar o conflito armado e que as correntes de fornecimento sejam transparentes. Estas iniciativas dirigem-se a correntes de fornecimento e fabricação relacionadas com companhias como Apple e Samsung, mas o tantalio não só está relacionado com os mercados de móveis e gadgets.

Os ativistas destas campanhas cometem o erro de não considerar os relacionamentos entre os minerais e a indústria armamentística.  É duvidoso que as companhias de defesa tratem de se abastecer em zonas mineiras livres de conflito em um futuro próximo.  Uma arma livre de conflito é um oxímoro.

Ainda é menos provável que o setor da defesa apoie novas leis federais que requeiram às empresas públicas revelar se utilizam minerais conflituosos da RDC. Segundo a  2010 Dodd-Frank Wall Street Reform and Consumer Protection Act  (lei Dodd-Frank de reforma de Wall Street e proteção do consumidor) as companhias de EE UU devem entregar em 2014 um relatório à Comissão de Valores e Mudanças sobre a origem dos minerais que utilizam.

As campanhas para minerais não conflituosos se dirigem às companhias de eletrónica para que utilizem materiais de um mercado transparente, não conflituosos, para os smartphones, portáteis e tabletas. O seu trabalho teve sucesso à hora de aumentar o número de minas não conflitivas no este da RDC. O que se deixou de lado é o papel mais amplo dos minerais conflitivos para além do campo da eletrónica de consumo.

Ao ritmo atual, a indústria armamentística poderia estar a superar, se não o fez já, o consumo de coltan dos fabricantes de smartphones e tabletes. O uso extensivo de drones na passada década significa que os EE UU precisam tantalio já que o circuito eletrónico dos drones está construído com tantalio procedente do coltan requintado. Esta conexão com a fabricação de armamento confere um novo significado ao termo "coltan sangrento". O coltan sangrento não é algo exclusivo da África central. Há reservas significativas de coltan na selva amazónica, que se estendem pela fronteira entre Venezuela e Colômbia criando um mercado negro emergente [http://www.icij.org/projects/coltan/venezuela-emerges-new-source-conflict-minerals]. Os senhores da droga dominam o lado colombiano da fronteira. Considera-se uma zona de conflito já que o coltan passa de contrabando através da zona de perigo no seu caminho de Venezuela a Colômbia e Brasil.

Na RDC, a extração, comércio e contrabando de minerais continua financiando o conflito. Os grupos armados incluem ao exército nacional congolês (FARDC) cujas categorias contam com muitos antigos rebeldes. O M23, que deixou de controlar a região, está constituído por antigos membros da FARDC que se sublevaram em abril de 2012. Um relatório do ano passado de Global Witness revelava que membros da FARDC ganharam milhões de dólares através do seu controlo das minas. Os combates constantes entre a FARDC e numerosos grupos rebeldes pelo controlo da extração e transporte dos minerais tem um efeito direto nos assassinatos, as violações e a violência habitual na região. A carreira pelo coltan engendra a violência na RDC. A ponta de lança desta demanda é o tantalio, um ingrediente finque nas novas tecnologias militares. A obsessão estadounidense com a guerra «cirúrgica» de controlo remoto, especialmente os drones, está agudizando o apetito pelo tantalio. Os EE UU mataram a milhares de pessoas em Paquistão, Afeganistão, Iemem e Somália com ataques a cada vez mais numerosos de drones. Operam também em Mali, Líbia e Nigéria. O que põe em evidência uma conexão preocupante entre duas guerras contemporâneas : a «guerra contra o terror» desde faz doze anos e a guerra de faz dezaseis anos no Congo. Enlaçando as duas está a demanda de minerais congoleses.



Postar um comentário