12/06/2013

AGAL assistiu ao ato de encerramento da I Assembleia de Anova

Tirado de aqui.



Miguel Penas, presidente do Conselho daAGAL, e Eduardo Maragoto, vogal, assistírom ao ato de encerramento da I Assembleia de Anova - Irmandade Nacionalista, que decorreu em Santiago de Compostela durante o fim-de-semana, conclave no qual se adoptárom passos favoráveis ao reintegracionismo.
Anova é umha organizaçom com apenas um ano de vida, mas já desde a constituiçom pratica a liberdade normativa dos seus militantes e órgãos, tanto na sua comunicação interna como externa. Neste sentido, a tese política base aprovada estabelece que «será favorecido o protagonismo social nos processos de normalizaçom da língua e pulará-se polo monolingüismo social em galego atendendo à nossa pertença ao sistema linguístico galego-português».
A tese política base foi acrescentada com a aprovaçom de diversas emendas relativas à língua galega, das quais cumpre salientar as seguintes pola sua vinculaçom com postulados reintegracionistas. Entre elas, umha emenda que aposta decididamente pola imersom em galego para o sistema educativo e polo apoio ao ensino cooperativo popular:
  • «Anova entende que o ensino público deve ir aplicando progressivamente metodologias de imersom em em galego, que demonstráram a sua eficácia no contexto educativo de outras línguas minorizadas. Anova apoiará experiências de ensino cooperativo popular que tiverem o galego como língua de imersom».  Na defesa da emenda foi citada, junto com outras experiências, a Escola de Ensino Galego "A Semente" como um dos principais referentes atuais.
  • «Anova  pensa que o acesso a fundos públicos por parte das empresas com sede na Galiza deverá estar condicionado pola co-utilização ou utilização exclusiva da língua galega em qualquer das suas ortografias, no seu âmbito interno e externo».
Fôram também aprovadas diversas emendas que recolhem o espírito da ILP "Valentim Paz-Andrade", mas nalgum caso com uma redaçom onde fica mais explícita a unidade da língua:
  • «Anova apoiará e promoverá ativamente a incorporaçom do ensino da  língua portuguesa em todos os níveis de ensino público regrado»
  • «Anova fomentará as medidas necessárias para conseguir a receçom aberta em território galego dos meios audiovisuais lusófonos em geral e portugueses em particular com o objetivo de tornar familiares nos ouvidos dos galegos e galegas outros sotaques da nossa língua»
  • «Anova considera que o relacionamento com os países de língua oficial portuguesa é estratégico para o povo galego. Fomentará tanto a participaçom de todas as instituições, das locais às nacionais, em foros lusófonos de todo o tipo, assim como a organizaçom na Galiza de eventos com presença de entidades e pessoas de territórios que tiveren o português como língua oficial».
Finalmente, dentro da tese organizativa, foi aprovada umha emenda que fai referência à territorialidade, definindo como suscetíveis de acolherem a estrutura de Anova aqueles territórios de língua galega situados nas comunidade autónomas de Castela-e-Leom e as Astúrias:
  • «Anova fará esforço por assentar a sua estrutura organizativa nas comarcas de língua galega das comunidades autónomas de Astúrias e Castela e Leão».
Reintegracionistas no máximo órgão
À aprovaçom destas teses cumpre somar também a presença de pessoas abertamente reintegracionistas no máximo órgão da organizaçom entre assembleias, a Coordenadora Nacional. Dos 75 integrantes, aproximamente os 10% praticam umha visom extensa e útil do galego.
Postar um comentário