27/12/2011

O falido golpe de Wall Street em 1934

Michael Donnelly. Artigo tirado de SinPermiso (aqui) e traduzido por nós.



"Nas suas últimas semanas de existência oficial o comité recebeu provas que mostravam que se tinham produzido tentativas por parte de certas pessoas de estabelecer uma organização fascista neste país (...) Não há dúvida de que estas tentativas se discutiram, se planificaram e poderiam se ter executado quando e se os apoios financeiros o tivessem julgado oportuno". Relatório do Comité McCormack-Dickstein



Um patriota, não o traidor que queriam

 Sabem o da trama golpista que aprendem todos os jovens americanos na classe de História de décimo curso? Ah, sim... 

Em novembro de 1934, o célebre general dos marines Smedley Butler, duas vezes condecorado com a Medalha de Honra, prestou depoimento ante o Comité McCormack-Dickstein, precursor do Comité de Atividades Antinorteamericanas. Na sua declaração, Butler referiu-se a uma conspiração encabeçada por um grupo de opulentos homens de negócios (a Liga Norte-americana pela Liberdade - The American Liberty League) a fim de estabelecer uma ditadura fascista nos EUA, em que não faltariam campos de concentração para "judeus e demais indesejáveis".

Ensina-me a massa

Butler era abordado por Gerald P. MacGuire, da assinatura Grayson M-P Murphy & Co. de Wall Street. MacGuire afirmou que reuniriam um exército de 500.000 veteranos da Primeira Guerra Mundial, desempregados na sua maioria, e marchariam sobre o Distrito de Columbia. Os plutócratas queriam que Butler dirigisse o golpe, pensando que, ao igual que os bolcheviques, ocupar uma cidade de importância (Washington, a modo de Petrogrado) provocaria a queda do governo. Prometeram contribuir três milhões de dólares para começar e ofereceram um tentador isca de 300 milhões. Butler seguiu adiante com o complô até que conseguiu conhecer a identidade de todos os intrigantes. Nem um só deles foi jamais convocado a testemunhar ou arguido de traição. E praticamente todos eles figuraram entre os fundadores do Conselho de Relacionamentos Exteriores (Council on Foreign Relations - CRE)
 
A Liga estava encabeçada pelos cárteles de DuPont e J.P. Morgan e tinha apoio importante de Andrew Mellon Associates, Pew (Sun Oil), Rockefeller Associates, E.F. Hutton Associates, Ou.Séc. Steel, General Motors (GM), Chase, Standard Oil e Goodyear Atires.

O dinheiro canalizou-no a Union Banking Corporation dirigida pelo senador Prescott Bush [1] (sim, o desses Bush) e Brown Brothers Harriman (sim, esse Harriman) [2] a Liga (e a Hitler, mas essa é outra história). Os conspiradores jactavam-se das conexões de Bush com Hitler e mantinham inclusive que Alemanha lhe tinha prometido a Bush que proporcionaria material para o golpe. Esta afirmação resultava totalmente crível: em um ano antes, o presidente de Chevrolet, William Séc. Knudsen (o qual doava 10.000 dólares à Liga) viajou a Alemanha, onde se reuniu com os dirigentes nazistas, e declarou à sua volta que a Alemanha de Hitler era "o milagre do século XX". Naquele tempo, Adam-Opal Co., propriedade por inteiro de GM, já começava a produzir motores para os tanques, camiões e bombarderos dos nazistas. A James D. Mooney, vice-presidente de GM para operações exteriores somaram-se-lhe Henry Ford e Tom Watson, chefe de IBM, entre quem receberam a Grande Cruz da Águia Alemã de mãos de Hitler pelos seus consideráveis esforços em favor do Terceiro Reich.

O encubrimiento

Enquanto o Comité concluiu que o General Butler dizia a verdade, desacreditar a um homem assim de inquebrantável resultava problemático para os conspiradores. Rapidamente interveio a imprensa empresarial para tratar de semear dúvidas a respeito do herói de guerra, e precipitou-se a tachá-lo de ingénuo. A ideia de Knudsen para desacreditá-lo consistiu em declarar que "não foi mais que uma conversa de cocktail?. Esta manobra de distração se pregonó nos titulares da Associated Press como ?O golpe do cocktail". O acalde de Nova York, Fiorello LaGuardia, [3] eliminou a conspiração como coisa de "alguém que lhe tivesse sugerido a ideia ao ex-marine em uma festa a modo de brincadeira".

Entre 1934 e 1936, a Liga acaparó trinta e cinco aparecimentos favoráveis na portada do New York Times. TIME ridiculizó a Butler em uma reportagem de portada de 3 de dezembro de 1934, embora a história de Butler ficasse corroborada pelo diretor da VFW, James E. Vão Zandt, que afirmou que lhe abordaram pára que dirigisse o golpe. No entanto, TIME pôs uma nota a pé de página em um artigo de princípios de 1935 que declarava: "Assim mesmo, na semana passada o Comité de Atividades Antiamericanas parlamentar propôs-se informar de que uma investigação de dois meses lhe tinha persuadido de que a história do geral Butler a respeito de uma marcha fascista sobre Washington era inquietantemente verídica".

Tão só os diários de Scripps-Howard respaldaram a Franklin Delano Roosevelt (FDR) e apresentaram a verdade.

Que passou com os "monárquicos económicos?"

O presidente Franklin D. Roosevelt denominou aos conspiradores "monárquicos económicos" e sobreviveu aos seus esforços felizmente torpes. O 3 de janeiro de 1936,  FDR arremeteu contra a Liga Norte-americana pela Liberdade ante uma sessão conjunta do Congresso na que anunciou a proibição das exportações militares a Itália.

"A nossa resplandeciente aristocracia económica não quer voltar ao individualismo do que tanto falam, embora as vantagens desse sistema recaíssem nos despiadados e os fortes. Dão-se conta de que em trinta e quatro meses levantámos novos instrumentos de poder público. Em mãos de um governo do povo, este poder é saudável e apropriado. Mas nas mãos de um política fantoche de uma aristocracia económica, esse poder poria grilletes às liberdades do povo. Se deixa-se-lhes, seguirão o rumo empreendido por toda a aristocracia do passado: poder para eles mesmos e escravatura para o povo".     

FDR nunca pôde levar a nenhum dos conspiradores ante a justiça. Nem sequer conseguiu pôr-lhe travão a Prescott Bush até 1942, quando o governo interveio os ativos das suas empresas pronazis, colheitando uns inesperados ganhos para Bush quando se lhe devolveram esses ativos em 1951! É evidente que a mentalidade fascista dos "monárquicos económicos" nunca desapareceu e constitui a força impulsora depois da ascensão (e deceso último) do Império Norte-americano, os ataques aos direitos e pensões dos trabalhadores, os ataques às nossas redes mínimas de segurança, etc.  

No seu dia, a Liga promoveu-se como bastião de todos aqueles inquietos pelos "onerosos impostos com os que se grava à indústria pelo seguro de desemprego e a pensão de velhice". A Liga tratava de "combater o radicalismo" e de "inspirar respeito pelos direitos das pessoas e a propriedade, e de modo geral, fomentar a livre empresa privada".  

J.P. Morgan e Chase são hoje em dia um só. As fortunas das famílias Mellon, Rockefeller, DuPont, Pitcairn (Pittsburgh Plate Glass) e Pew dispararam-se. Pew e Rockefeller transformaram-se em um conciliábulo de fundações que financiam/neutralizam iniciativas progressistas de base

O movimento "Ocupemos..." de 1936

William Séc. Knudsen foi o único conspirador dos que estavam no alho que se voltou contra a trama, renunciou a Hitler e tem o mérito de ter empurrado a GM a chegar a um acordo com os grevistas de Flint. [4] Os trabalhadores, mau pagos e sobrecarregados de trabalho, tomaram as fábricas e ficaram nelas, começando por Fisher Body #3 de Flint, e repelírom os ataques da polícia controlada por GM e os matoes a salário. FDR e o governador de Michigan, Frank Murphy, chamaram à Guarda Nacional, não para provocar aos trabalhadores senão para formar um cordão entre grevistas e sicarios. O pai e o avô de Murphy foram aforcados pelos britânicos por tratar-se de revolucionários irlandeses e muitos dos grevistas eram trabalhadores de origem irlandês, o que acordou as suas vivas simpatias.

44 dias depois, Knudsen, para então vice-presidente de GM, declarou que "chegou o momento da negociação coletiva". Com a ajuda do seu aliado, C.Séc. Mott, duas vezes presidente da câmara municipal de Flint, veterano filántropo e animador cívico, máximo acionista e membro da junta diretiva de GM, a empresa atingiu um acordo que levou à semana de 40 horas, o pagamento de horas extra, o direito a criar sindicatos, pensões, etc. Mott cuidou-se inclusive de que se estabelecessem nas fábricas clínicas de saúde para os trabalhadores e as suas famílias. Alfred P. Sloan, conspirador do golpe/Presidente e Diretor de GM, que quisesse recuperar as fábricas a canhonaços, renunciou parcialmente às suas responsabilidades como chefe de GM e Knudsen substitui-no como presidente. GM chegou a converter-se na primeira grande empresa do mundo durante 40 anos, o país foi testemunha da ascensão da classe média e a divergência da riqueza chegou a níveis mínimos na história dos EUA.

Provavelmente não se tratou de algo puramente altruísta por parte de Knudsen, pois dois anos mais tarde FDR pôs a Knudsen a cargo da Comissão Nacional Assessora de Defesa. Baixo a sua direção, a Junta de Produção de Guerra norte-americana, presidida convenientemente também por Knudsen, concedeu a GM contratos de armamento por valor de uns 12.000 milhões de dólares. Ao mesmo tempo, as fábricas Opel de GM construíam a maioria dos motores dos camiões e bombarderos de Hitler. Esta parte de "vontade sempre" não teve como resultado nenhuma acusação contra Knudsen ou GM. Pelo contrário, levou a que Knudsen, imigrante dinamarquês, se convertesse no primeiro civil nomeado general do Exército dos EE. UU.

A lição

A lição que há que sacar e não esquecer nunca é que, tal como apontou Roosevelt, os monárquicos económicos têm a sua própria agenda decididamente antipopulista. Já que não tiveram que pagar nenhum preço pela sua tentativa inesperadamente, nunca titubearam na sua ideologia populista. Hoje em dia, simplesmente amañan eleições, levantam enormes aparelhos de ?segurança? e provocam a qualquer que faça frente ao seu dominación (o presidente da câmara municipal de Nova York, Michael Bloomberg, o duodécimo norte-americano mais rico, com uma fortuna de 19.500 milhões, alardeaba recentemente: "Conto com o meu próprio exército, o NYPD (Departamento de Polícia de Nova York), o sétimo maior do mundo. E tenho o meu próprio Departamento de Estado, mau que lhe pese a Foggy Bottom [denominação popular do Departamento de Estado norte-americano]".[5]


O acosso aos sindicatos continua sem mingua. Os EUA têm uma percentagem maior da sua população encarcerada que o de qualquer país em qualquer momento histórico. E graças às recentes decisões do Tribunal Supremo, ninguém pode rivalizar com o peso dos financeiros. Os "monárquicos" possuem hoje o governo, igual que a imprensa e os seus próprios exércitos. Sacar dividendos da guerra segue sendo o primeiro na sua agenda, seguido de perto pelos ataques aos salários, pensões e atenção sanitária dos trabalhadores... A rede de segurança conseguida com grande esforço por FDR e os grevistas está hoje sendo atacada.    

Como disse então esse grande populista, o senador Robert A Follette, da Liga Norte-americana pela Liberdade (e todas as suas posteriores encarnaçoes) não se pode "esperar que defenda a liberdade das massas do povo norte-americano. Fala em nome dos interesses criados".

A outra lição é a seguinte: Ocupar os Meios de Produção consegue resultados.
 
Notas do t.:

[1] Prescott Bush (1895-1972), pai e avô dos presidentes George H. W. Bush e George W., foi senador por Connecticut entre 1952 e 1963 e partidário e apoio do presidente  Eisenhower.

[2] O autor refere-se a Averell Harriman (1891-1986), político e diplomata democrata e estreito colaborador de Roosevelt e Truman, de quem foi embaixador na União Soviética entre 1943 e 1946 e secretário de Comércio, respetivamente. Foi governador de Nova York entre 1954 e 1958, frustrado candidato à nominación presidencial em 1952 e 1956, e posteriormente trabalhou como Chefe de Embaixadores para o Governo Kennedy, além de como Secretário de Estado para Longínquo Oriente. Seguiu implicado no Vietname com a administração Jonson, depois de favorecer o derrocamiento do presidente Diem em 1963 e como negociador chefe nas conversas de paz de Paris com Vietname do Norte.

[3]  Fiorello LaGuardia (1882-1947), celebérrimo presidente da câmara municipal republicano de Nova York entre 1934 e 1945, de origem italiano e judeu e intensa orientação social, teve o apoio do presidente Roosevelt nas suas medidas políticas de transporte, morada, obras e parques  públicos.

[4] Trata-se da greve de ocupação das plantas de General Motors em Flint, estado de Michigan (Flint Sit-Down Strike), entre dezembro de 1936 e fevereiro de 37, uma meta triunfal na história da luta dos sindicatos nos Estados Unidos.

[5] Foggy Bottom, literalmente "veiga brumosa", é o nome do bairro de Washington no que se encontram os escritórios do Departamento de Estado.

Postar um comentário