08/07/2013

A questão de Kosovo, um caminho desde a esquerda sérvia

Dragan Plavšic. Artigo tirado de Sin Permiso (aqui) e traduzido por À revolta entre a mocidadeDragan Plavšic é mebro de Marks 21 em Sérvia e é co-editor, com Andreja  Živkovic, de A tradição socialista nos Balcãs e a Federação balcânica 1871-1915 (Londres 2003) .



Com os seus pés atrapados no varro húmido do Kosovo Polje [1] e a sua cabeça perdida em espessa-a nevoeiro de Bruxelas, o governo tem estado na tormentosa busca da alma sobre a questão central da nossa vida política - que fazer com Kosovo?

A fonte de todo este tormento não é, por suposto, difícil de localizar. Atrepado no seu desespero para entrar na UE - a estratégia central para "resolver" a crise da dívida de Sérvia - nossa classe dirigente tem estado chorando lágrimas de nacionalista auto-compaixão sobre a necessidade de chegar a um acordo sobre Kosovo que não vai gostar, a mudança do pertence à UE. Efectivamente  desde faz algum tempo, Washington e Bruxelas têm estado esperando pacientemente a construir a pressão para que Sérvia entre na UE, e em consequência, que Belgrado ceda no Kosovo.

O último episódio desta saga demonstra, uma vez mais, que a questão do Kosovo hoje em dia não é, nem nunca foi, só o papel da Sérvia no Kosovo; é, e sempre foi, junto do papel de Ocidente  liderado pelo EE.UU., no Kosovo, os Balcãs e Europa do Leste no seu conjunto.

Se há uma nova maneira de avançar na questão do Kosovo portanto encontra-se, temos que dar resposta as chaves, estreitamente vinculadas entre si, às feições desta questão que são mais responsáveis pelo atual estado, inçado de conflitos em todos os assuntos: o imperialismo liderado por Estados Unidos e o nacionalismo sérvio.

O acordo atingido a tal reconhecimento mútuo em Bruxelas faz, no entanto, o contrário. Afiança-se a ideia de que o caminho a seguir no Kosovo se pode encontrar baixo os máximos responsáveis pela grave situação que nos encontramos hoje, em local de se debilitar. Como resultado, o acordo não oferece nenhuma das respostas que deveríamos estar a procurar. É mais, as suas propostas são fundamentalmente erróneas em várias feições fundamentais.

Contra o Acordo de Bruxelas

Em primeiro lugar, a garantia da OTAN tem supostamente disposto que assegurará que as forças albanesas do Kosovo não despregar-se-ão na autonomia sérvia no norte, em local de debilitar a ideia de que o imperialismo liderado por Estados Unidos - o mesmo imperialismo que devastou a Jugoslávia na guerra do 1999 e agora dirige o Kosovo como neocolónia - segue tendo um papel importante que desempenhar na província. Fundamentalmente, esta garantia produziu-se a petição expressa da Sérvia. O abraço da Sérvia da OTAN (e as suas forças do Kosovo, KFOR) tem-se estado gestando desde faz algum tempo, mas o atual governo deu um passo mais. Em setembro do ano passado, o vice-presidente primeiro do Governo e ministro de Defesa, Aleksandar Vujic, declarou que Sérvia "valoriza muito a contribuição da OTAN e a KFOR da criação de um ambiente de paz no Kosovo". [2] E em dezembro, quando se reuniu com EE.UU. o secretário de Defesa, Leon Panetta, informou-se de que Vujic "pediu que as tropas da KFOR da OTAN não devem retirar do território do Kosovo e Metohija". [3]

O acordo de Bruxelas consolida ainda mais o imperialismo no Kosovo mediante a formalização de apoio expresso da Sérvia à presença da OTAN no Kosovo e assinalando o aumento da cumplicidade da Sérvia com o imperialismo liderado por Estados Unidos.

Em segundo local, a autonomia especial negociada pelos sérvios no norte - em base aos chefes da polícia sérvia, os juízes e a "proteção" da OTAN- afianza mais que debilita a ideia da divisão territorial por motivos étnicos e alimenta assim a esperança nacionalista sérvia de que se não se pode conseguir que Kosovo volte, poder-se-ia um dia ser capaz de conseguir pôr as mãos no norte. No final de fevereiro, o primeiro-ministro Ivica Dacic repetiu uma vez mais uma visão que durante muito tempo tem estado repetindo, que "segue achando que [a partição] é a melhor e única solução", e acrescentou, revelador, que o Governo "não me vai deixar falar já seja sobre a partição ou separação por mais tempo ". [4] no contexto atual dos relacionamentos antagónicas entre Belgrado e Pristina, está claro que a nossa classe dominante estará tentada de ver a autonomia sérvia no norte como uma forma de divisão que, em um clima mais favorável geopolíticamente, poderia abrir a porta à partição em toda a regra - o que provavelmente conduzirá a ainda mais derramamento de sangue e uma maior intervenção imperialista.

Em terceiro lugar, a autonomia sérvia no norte vai consolidar e não debilitar a hostilidade entre as duas nações. O status especial desta autonomia - em essência, um semi-estado dentro de um semi-Estado - é seguro que será uma fonte de antagonismo competitivo entre Belgrado e Pristina nos próximos anos. Para irritação mútua, Pristina procurará, com o tempo, estabelecer a sua soberania indiscutible sobre a autonomia, enquanto Belgrado opor-se-á a isto e procurar o seu local para consolidar a sua posição ali. Em ambos casos, as classes dominantes tratarão de mobilizar o apoio popular às suas respetivas pretensões e uma vez mais enfrentar nação contra nação. Quanto aos sérvios do Kosovo, a sua situação só se agrava e não se alivia por ser o objeto de toda esta rivalidade explosiva.

Finalmente, com a mútua promessa que Belgrado e Pristina fizeram de não bloquear as aplicações da cada um para unir à UE, este acordo consolida em local de debilitar a ideia de que a solução aos nossos problemas económicos profundos recai nos Estados em crises neoliberais capitalistas da Europa Ocidental. Dacic é um sérvio e Hashim Thaçi, o primeiro-ministro do Kosovo, é um albanês, mas, como representantes das suas classes dominantes, estes dois "irmãos inimigos" [5] estão mais de acordo do que estão dispostos a admitir - isto é, a neo-liberal política de privatização do mercado livre, que terá as mesmas consequências sociais desastrosas para nós que já teve e está a ter, para muitos estados na UE, sobretudo para os trabalhadores gregos.

Por todas estas razões, há que opor a este acordo. Não proporciona um caminho a seguir no Kosovo, pelo contrário, só se alimenta um fogo que os reunidos ao redor dele simplesmente não podem extinguir.

O tempo para pensar de novo e atuar com valentia no Kosovo -em uma forma que a nossa classe dominante é incapaz de contemplar - portanto, leva já muito atraso. É necessário uma mudança fundamental da política na Sérvia, e só a esquerda podemos o proporcionar. Os principais objetivos desta nova política não só devem ser para fechar a brecha entre os sérvios e os albaneses do Kosovo que as nossas classes dominantes e as suas supervisores imperialistas não puderam, senão também para demonstrar a Washington e Bruxelas que podemos encontrar as nossas próprias respostas aos nossos próprios problemas - sem a sua 'ajuda'. Por tanto, o repto para a esquerda é considerável: podemos encontrar uma maneira concreta de abordar ambas questiones chaves, estreitamente vinculadas entre si, sobre a questão do Kosovo hoje em dia -o papel do imperialismo ocidental liderado por Estados Unidos e o do nacionalismo sérvio - que nos levaram à atual atolladeiro? Para responder a esta pergunta, devemos primeiro olhar por que estamos nesta situação.

O imperialismo liderado por Estados Unidos: o caminho a Kosovo

Desde 1989, quando o Império Russo e o Pacto de Varsóvia começou a se derrubar, o líder de Occidente, Estados Unidos, seguiu, por médio da OTAN e a UE, uma política imperialista de expansão e integração na Europa do Leste. Após mais de 40 anos da Guerra Fria, 1989 foi uma oportunidade histórica para absorver o Leste à OTAN mediante o aproveitamento da debilidade da Rússia para rodeá-la com países da OTAN. Depois, para consolidar e reforçar esta vantagem, o Leste foi absorvido pela UE, dando aos conglomerados multinacionais gigantes do acesso direto aos mercados do oeste e longas de trabalho ocultos por trás do Talón de Ferro.

Tendo-se sacudido as correntes de um império, portanto, Europa do Leste ficou atrapada nas correntes de outro. Para que isto fosse possível não foi uma simples questão de "pressão de Occidente". Efetivamente, como o marxista húngaro, GM Tamás, observou, as classes dominantes da Europa do Leste, por temor a Rússia, foram "voluntariamente" a unir à OTAN e a UE em um processo ideológico, económico, político e militar de "auto-colonização". [

No entanto, tinha uma ameaça potencialmente grave para a transição de um império a outro. Esta foi a guerra na Jugoslávia. Como Ivo H. Daalder, assessor de segurança nacional do presidente Clinton, explicou mais tarde, "Enquanto a guerra ia-se enconando, resultava impossível aproveitar as oportunidades criadas pela queda do comunismo, a unificação da Alemanha, e a dissolução de ambos impérios: o soviético na Europa oriental e a União Soviética ela mesma "[7] USA, o líder de Ocidente tinha que demonstrar que a OTAN, e só a OTAN, poderiam levar a guerra ao seu fim, selando a sua autoridade militar nos Balcãs  o falhanço aqui poderia ter socado fatalmente a sua política de expansão e a integração no seu conjunto, fazendo com que os estados "voluntários" no Leste de questionassem a credibilidade do poder liderado por Estados Unidos.

Como resultado, a guerra na Jugoslávia se enredou em uma geoestrategia imperial bem mais ampla. Ao seu devido tempo, após o Acordo de Dayton de 1995, Kosovo converteu-se, por um tempo, o ponto de focagem central da política de Ocidente da expansão imperialista e a integração na Europa do Leste. E no Kosovo, o imperialismo liderado por Estados Unidos foi a encontrar um povo mais que disposto a se submeter diretamente ao "auto-colonização", no que se converteu na expressão mais extrema de um processo mais amplo em marcha em toda a Europa do Leste. Após a guerra de 1999, os albaneses do Kosovo trocaram o domínio sérvio pelo governo neo-colonial encabeçada por Estados Unidos, já seja administrado pela OTAN, a UNMIK e EULEX; fizeram-no "voluntariamente? devido à Sérvia de Milosevic.

Por uma política balcánica de amizade com Kosovo

Desde a ocupação do Kosovo em 1912, quando se encontrou o "berço sagrado da nação" povoada de não sérvios, Sérvia seguiu uma política nacionalista de inimizade para os albaneses do Kosovo, com consequências desastrosas.

Antes da Segunda Guerra Mundial, aos albaneses do Kosovo negou-se-lhes o autogoverno, negou-se-lhes a educação em albanês, e a resistência dos Kaçaks (um dos primeiros UCK) foi aplastada sem piedade. Para ajustar as cifras de população, Kosovo foi assentada com milhares de colonos sérvios; para "fazer espaço" para eles, foi confiscada a terra aos albaneses do Kosovo, e se chegou a um acordo para que Turquia "tomasse" 40.000 famílias do Kosovo. O grau de opressão era tal que muitos albaneses do Kosovo consideram a ocupação fascista como "libertação" da dominação sérvia. Inclusive após 1945, as instituições do Kosovo foram dominadas pelos sérvios, cujo domínio da minoria foi imposto pelo terror de UDBA de Rankovic. [8] Uma vez mais, para ajustar as cifras de população, alentou-se aos albaneses do Kosovo a identificar-se como Turcos e, em 1966, com o acordo de Estambul , uns 100.000 emigrava a Turquia.

A queda de Rankovic e as manifestações em todo o Kosovo em 1968 trouxeram uma acalma temporal da opressão  Kosovo ganhou a autonomia real, e a albanizaçao das suas instituições começaram a bom ritmo. Mas a trégua durou pouco, terminou de maneira concluinte pela ascensão de Milosevic ao poder. A sua direção de classe dirigente decidida a "recuperar" Kosovo para a Sérvia baseou-se em uma campanha abertamente racista de mobilização popular contra os albaneses do Kosovo com o fim de privar da autonomia que ganhava na Constituição jugoslava de 1974. Como resultado, os albaneses do Kosovo se converteram, uma vez mais, nos cidadãos de segunda classe na Sérvia.

Esta política da inimizade tem "triunfado" - da única maneira que podia fazer: fez-se aos albano-kosovares inimigos da Sérvia e portanto potenciais aliados de qualquer poder externo disposto e capaz de ir na sua ajuda. A guerra de 1999 foi a expressão mais calamitosa do "sucesso" desta política.

A guerra de 1999 foi devastadora, mas era uma oportunidade ocidental liderada por Estados Unidos que tomou com as duas mãos com a certeza de que a política de hostilidade da Sérvia daria aos albano-kosovares poucas razões imediatas para pensar criticamente sobre o apoio imperialista que recebiam. Pelo contrário, os albaneses do Kosovo lançaram-se com entusiasmo aos braços de Washington por uma razão imediata e urgente - o desejo desesperado por libertar-se da opresión da Sérvia de Milosevic. Como a marxista polaco-alemã, Rosa Luxemburgo, teve por muito tempo observado da questão nacional nos Balcãs  "As massas não participam nas reflexões complexas e remotas ... aceitam o primeiro e o melhor método que se corresponde com os seus interesses imediatos, embora este método é a diplomacia vil [de uma grande potência] ". [9]

A guerra de 1999 deveria ter demonstrado para além de qualquer dúvida razoável que a política de hostilidade para os albaneses do Kosovo da Sérvia foi um falhanço catastrófico, dando como resultado o estabelecimento do poder imperialista no Kosovo e a a cada vez maior hostilidade entre as nossas duas nações. Cegada pelo dogma nacionalista, no entanto, a nossa classe dirigente persegue ainda essa política, como adita a uma droga autodestrutiva da que não pode prescindir. Mas se o terrível ciclo da catástrofe do Kosovo é alguma vez rompido, a política que ajudou a dar a luz a este ciclo tem que ser recusada.

Em mudança, em local da política de inimizade da Sérvia, a esquerda em Sérvia deveria advogar por uma política muito diferente, uma política balcânica de amizade com os albaneses do Kosovo. Qual deve ser o eixo central desta nova política e por que deve nos permitir evitar as catástrofes do passado?

Defender o direito do Kosovo à livre determinação

Uma característica central da política de hostilidade da Sérvia foi, e segue sendo, a negação do direito do Kosovo à autodeterminação, isto é, o seu direito a formar um estado independente. Pelo contrário, um elemento central de uma política dos Balcãs da amizade deve ser defender o direito do Kosovo à livre determinação, o direito a formar um Estado independente, na contramão da negação dogmática deste direito pela nossa classe dirigente.

Dada a profundidade à que a hostilidade entre as duas nações se afundou, esta defesa é a única maneira atual de começar a fechar a brecha que existe entre nós, demonstrando, com a clareza nítida, que há gente na Sérvia que se comprometem a opor ao nacionalismo da sua própria classe dominante e à amizade com aqueles que têm estado durante tanto tempo tratados como os nossos inimigos de sangue. Trata-se, em definitiva, uma condição prévia indispensável para a amizade. Esta política dos Balcãs da amizade teria uma série de vantagens concretas tanto para os sérvios e os albaneses do Kosovo.

Em primeiro lugar, devemos reconhecer que a nossa classe dirigente usou, uma e outra vez, e utiliza a questão do Kosovo para desviar o descontentamento económico e político do seu dominação para um descontentamento nacionalista com os albaneses do Kosovo. Efetivamente, quem pode negar que uma das razões Milosevic fosse capaz de subir ao poder e aferrar-se a ele durante tanto tempo era a sua exploração do mito do Kosovo para justificar um regime que era opressivo, e não só aos albaneses, senão para nós também? Kosovo não foi só a opressão dos albaneses do Kosovo senão que também se trata da nossa opressão em casa. Ao expor a forma em que esta arma nacionalista foi utilizada pela classe dominante, a esquerda estará em condições de debilitar a capacidade de Belgrado para oprimir a todos nós.

Esta política também faria mais que qualquer outro ato para diminuir o sentimento nacionalista albanês anti-sérvio. Porque o seu nacionalismo está estreitamente vinculado ao nosso: quanto mais os nossos nacionalistas ameaçam o Kosovo, mais os seus nacionalistas ameaçam-nos a mudança. Mas se os albaneses do Kosovo não teriam nada que temer de uma Sérvia que seguisse uma política balcânica da amizade, um maior espaço político estaria despejado para os albaneses que estão mais abertos a nós e os nossos interesses comuns. Por outra parte, a difícil situação dos sérvios do Kosovo relaxou-se, não só no norte senão em todo o Kosovo. De facto, o 40% dos sérvios do Kosovo não vivem na autonomia no norte.


Com tudo, portanto, esta política se compromete a reduzir o poder de atração do nacionalismo na Sérvia e Kosovo. Como resultado, teria maior espaço para ambos, sérvios e albaneses do Kosovo, para se centrar em abordar as consequências sociais nefastas do capitalismo neoliberal destrutivo que nossas duas classes dirigentes estão decididas a nos impor, dando a esquerda, aqui e no Kosovo, mais possibilidades de conseguir uma audiência. Sérvios e  albaneses do Kosovo têm um interesse comum em ir juntos na contramão dos seus governos neoliberales e isto só pode se fazer efetivo se não estamos distraídos e divididos pelos nossos próprios nacionalismos.

Por último, esta é a única política que promete fechar a brecha étnica entre sérvios e albaneses do Kosovo, através da qual entrou Ocidente liderado por EE.UU e que agora procura determinar os assuntos balcânicos  Os albaneses do Kosovo têm fé nos EE.UU. porque temem Sérvia. Uma política dos Balcãs de amizade que eliminasse este temor sacudir-se-ia essa fé. Como resultado, teria maior espaço político para os albaneses que querem arrojar o estatus neo-colonial do Kosovo, isto é, que querem que Kosovo será governado por eles e não para eles. Isto teria envolvimentos mais amplas, positivas para os Balcãs  sobretudo em Bósnia.

Esta política dos Balcãs de amizade é então a única resposta racional à política de hostilidade da Sérvia. No entanto, apesar de que senta as bases para abordar a questão do imperialismo nos Balcãs com a promessa de levar aos sérvios e os albaneses do Kosovo juntos e dar a Washington e Bruxelas menos espaço para dividir e nos governar, temos que ir para além.

Isto é importante. Sérvia é um poder local nos Balcãs  mas o imperialismo liderado por Estados Unidos é global, com o poder para impor a sua vontade brutal não só nos Balcãs e Europa do Leste, senão também no Iraque, Afeganistão e outros locais. A esquerda sérvia também tem que estar armada com uma proposta concreta da melhor maneira de desafiar o imperialismo estadounidense no Kosovo hoje.

Pelo reconhecimento do Kosovo com uma condição

O nosso governo prometeu não reconhecer nunca a declaração de independência do Kosovo de 2008. [10] O imperialismo encabeçado por Estados Unidos, pelo contrário, está a tratar de conduzir Sérvia passo a passo para o reconhecimento. No entanto, estas não são as únicas duas alternativas.

Certamente, ao defender o direito do Kosovo à livre autodeterminação sustentamos, como questão de princípio, que Kosovo tem direito a ser independente e a ser reconhecido como tal. Isto significa que a esquerda deve recusar a rotunda negativa do governo no fazer. Mas seria um erro concluir que achamos que o Kosovo deve ser reconhecida agora. O reconhecimento é um ato político e o momento político o é também; quando acontece e em que condições é fundamental.

Portanto, dizemos que o governo deve lhe dizer a Washington e Bruxelas que está disposto a reconhecer a independência do Kosovo se, e só se, se cumpre uma condição essencial.

Dado o papel central e fundamental da OTAN na execução da política imperialista de Ocidente liderada por Estados Unidos de expansão e a integração na Europa do Leste, não só no Kosovo, dizemos que o governo deve lhes dizer a Washington e Bruxelas que vai reconhecer a Kosovo tão cedo como estejam de acordo que Sérvia e Kosovo serão zonas livres da OTAN, isto é, livre de tropas da OTAN, bases da OTAN como Camp Bondsteel, e livre de ser membros da OTAN no futuro. [11]

No improvável caso de que Washington e Bruxelas estivessem de acordo nesta condição a mudança do reconhecimento do Kosovo por Sérvia, estabelecer-se-ia a seguir um precedente importante na história recente do avanço para o Leste,  aparentemente incesante da OTAN. Enviar-se-ia um poderoso sinal, sobretudo para Bósnia, de que há uma alternativa ao processo aparentemente imparável do "auto-colonização", não só militar, senão, por extensão, de outras áreas também. No caso mais provável, no entanto, que Washington e Bruxelas se negasse, os albaneses kosovares veriam que a verdadeira independência já não seria bloqueada por Sérvia, senão pelo imperialismo liderado por Estados Unidos, o que poderia envalentoná-los a se sacudir os seus amos neocoloniais e os seus cúmplices locais, e tomar o poder nas suas próprias mãos. Por outra parte, tal negativa demonstraria claramente que o objetivo primordial do imperialismo liderado por Estados Unidos é a extensão do seu próprio poder em vez dos interesses dos albaneses do Kosovo que afirmaram defender.

De qualquer maneira, esta condição da exclusão da OTAN propõe a questão da descolonização completa do Kosovo, incluída a retirada da burocracia neo-colonial corrupta que é EULEX. Deste modo abre-se a porta, por fim, à libertação do Kosovo - pelos próprios albaneses do Kosovo.

Por suposto, nem por um momento achamos que o nosso governo jamais se prepare para tomar este curso de ação e para que se desenvolva esta corrente de acontecimentos. Esse não é o nosso propósito aqui. O nosso objetivo é proporcionar à esquerda sérvia uma posição coerente sobre Kosovo que seja anti-imperialista e anti-nacionalista. O argumento de que Sérvia deve reconhecer a Kosovo condicionalmente funde estes dois princípios políticos abstratos em uma única posição política concreta, e portanto dá à nossa esquerda um novo caminho a seguir no Kosovo pode argumentar a favor e agitar com confiança.

Para uma Federação Balcânica

A política dos Balcãs de amizade com Kosovo que temos estado argumentando é, no entanto, só um peldaño. Senta as bases para uma política mais ampla dos Balcanes de confiança mútua nos nossos vizinhos, em local de uma política nacionalista estreita de dependência competitiva em um ou outro imperialismo, com a cada estado rivalizando pelo apoio de uma potência estrangeira na contramão dos seus vizinhos. A tragédia da nossa história foi a incapacidade repetida de conseguir esta perspetiva os Balcãs na nossa política.

Mas isto não é uma tragédia acidental. As nossas classes dominantes sempre foram demasiado estreitas de olhas e demasiado egoístas - em resumem, nacionalista - para pensar e atuar pelo bem comum, e sempre sê-lo-ão. A esquerda precisa, por tanto, pôr a sua convicção na única classe que tem o potencial de ver através das fronteiras que nos dividem atualmente - a classe operária dos Balcãs  Mas se a classe operária dos Balcãs está sempre em potencial disposta para cumprir, a esquerda balcânica deve ser tão astuta na luta contra o nacionalismo como nossas classes dominantes o estão no fomento dele. Isto só se pode fazer, não com consignas abstratas, senão com políticas concretas que nos assinalam uma e outra vez na direção da meta que temos que atingir se queremos pôr fim ao ciclo sangrento da nossa história - a criação de uma federação balcânica que porá fim às lutas nacionais e salvar-nos-á das tentações auto-destrutivas do imperialismo.



Notas:
[1] "Campo de Kosovo", donde teve lugar a batalha de Kosovo de 1389, quando as forças sérvias chefiadas foram derrotadas pelos otomanos. Esta batalha tem um papel central na mitologia sérvia nacionalista.
[2] “La KFOR debería quedarse, pero no entrenar las fuerzas de Kosovo”, www.b92.net, 21.09.2012
[3] «Un diputado insta a continuar el despliegue de la OTAN en Kosovo”, www.b92.net, 07/12/2012
[4] «Un diputado cree que la partición es" la mejor solución "para Kosovo, www.b92.net, 28.02.2013
[5] Uma expressão de Karl Marx em O capital utiliza para descrever os capitalistas: irmãos da família capitalista que são hostis a competir entre sí próprios no mercado.
[6] GM Tamás, 'Palabras de Budapest', New Left Review de marzo-abril 2013
[7] Ivo H. Daalder, “Cómo llegar a Dayton”, Washington, DC 2000, p.187
[8] os notórios serviços de segurança de Jugoslávia, UDBA. Ele foi apartado do poder por Tito no ano 1966.
[9] Rosa Luxemburgo, "La socialdemocracia y las luchas nacionales en Turquía" (1896) en Dragan Plavšic y Andreja Živkovic (eds), La tradición socialista balcánica y la Federación de los Balcanes desde 1871 hasta 1915, Londres 2003, p.44
[10] Mais recentemente, 'Presidente: Kosovo nunca se convertirá en el estado', www.b92.net, 03/05/2013
 [11] Uma versão deste argumento assinalou-se por primeira vez em 'Situacija na Kosovu: nacionalizam samo Jaca imperijalizam na Balkanu!' [A situação de Kosovo: o nacionalismo apenas fortalece o imperialismo nos Balcãs] em nosso site, www.marks21.info, 1.8 . 2011.
Postar um comentário